terça-feira, janeiro 31, 2006

A Não Perder!





Um filme sem dúvida a não perder, por tudo o que transmite e pelo maravilhoso mundo de sensações visuais que nos deixa sem palavras.

Um história simples (ao modo oriental) com uma riqueza de imagem linda onde toda a história flui de um modo natural e leve. Todo o contexto histórico e toda a informação que nos coloca no local, são de um feito incrível.

Sempre me encantaram os filmes de origem oriental ou de contexto oriental, e este não se deixa ficar atrás. Cativa-me desde o princípio até ao fim, sem deixar de querer ver mais e mais.

5 comentários:

pipa disse...

Olá...acredito mesmo que seja um bom filme...ainda n vi mas espero vir a ver;)...a rapariga é bonita ;)..Beijoss

nika_liu disse...

Adorava ir ver! Até porque já tenho o livro à alguns anos e tinha gostado muito de o ler! Gostava de ver como foi feita a adaptação! Além de gostar imenso da inspiração oriental, tb gostava de ver os fatos que para as geishas eram a sua principal fortuna! Espero ir ver em breve! Beijocas

Clau disse...

Vão sim, vão se perder no meio de tanta beleza. Os quimonos são realmente lindos, de uma beleza que encanta qualquer um. É certamente uma próxima aquisição, quando sair em dvd.

Analog Girl disse...

Eu também tenho muita curiosidade em ver o filme, mas por vezes custa-me render ao showbizz tão facilmente. Li há pouco tempo que a verdadeira gueisha que inspirou o livro (e consequentemente o filme) não concorda com o que se escreveu por aí, e lançou recentemente a sua autobiografia para desmistificar determinadas ideias preconcebidas, como a de que os pais dela a venderam a uma casa de gueishas, o que não é verdade . Outra coisa que me põe de pé atrás com este filme é o rol de críticas negativas que já recebeu da parte dos japoneses, pois alteraram as vestimentas, as danças tradicionais, e inclusivé puseram uma actriz chinesa a actuar (na óptica dum japonês os chineses são inferiores creio eu), e imagino o quão dificil é ver hollywood a passar uma imagem errada das tradições do teu país.

No entanto, isto é um pouco como o código Da Vinci, é uma história romanceada, inspirada em situações reais ou teorias reais. Temos de saber compartimentar. Isto é entertenimento e não um documentário. Mas não posso deixar de lamentar essa indústria de Hollywood, que refaz a nossa visão do mundo. Afinal, a intenção do filme também é essa, a da fuga à realidade, a de dar o poder de sonhar. E às vezes admito que me esqueço disso.

Mas até gostava de ver o filme ;)

Clau disse...

Todos os filmes são sempre um pouco fora da verdadeira realidade. Tráta-se da visão do realizador e do argumentista da verdadeira história. Nunca um fime retrata exactamente a 100% a verdadeira parte dos acontecimentos.
Acredito que neste filme haja muita coisa que não seja bem como a senhora passou, mas eu gostei por tudo o que vi, o modo como está feito. Em termos de filme adorei, quanto à história também gostei mas prefiro ler a parte verdadeira dos factos. Se sempre sair a autobiografia da senhora, vou ler.