sábado, dezembro 24, 2005

Devaneios III

Tenho Saudades



dos dias em que passavamos juntos a rir

dos dias em que sentados escutavamos os sons lá fora

dos dias em que me contavas as tuas histórias

dos dias em que trabalhavamos juntos

dos dias em que me acordavas com um beijo leve na face

dos dias em que irritado comigo me fazias crescer mais um pouco

dos dias em que me davas mimos

dos dias sentados no sofá a ouvir só os nossos corações

dos dias em que me davas colo e me pedias para ser eternamente feliz

dos dias em que dizia: Pai amo-te, não me deixes nunca!


e tu continuas aqui, ao meu lado, sem nunca me abandonar.
tenho saudades. de ti.





(Autoria: Cláudia Bento - 24/12/05)

4 comentários:

Rita (STB) disse...

Tu sabes o que eu sinto, porque também sentes o mesmo... Os anos passam e o vazio em vez de diminuir, cresce cada vez mais, hoje sorrimos, amanha choramos em silencio, e a unica coisa que nós faz viver é saber que eles não estão presentes fisicamente mas que as suas almas continuam bem juntinho de nós...a saudade cada vez aperta mais. Sabes o que é que eu penso, penso que eles estão os dois juntinhos a olhar por nós...

Clau disse...

Eu sei e sinto o mesmo. Mas por vezes sinto uma enorme vontade de escrever sobre o que sinto, não sei explicar o porquê, mas fico muito mais aliviada depois de o fazer. Foi uma excelente ideia retomar a escrita, tem-me feito imenso bem. E devo isso à minha amiga Joana, porque com o blog dela deu-me vontade de fazer o meu e assim voltar a escrever.

Analog Girl disse...

Olha que assim fico corada! A escrita é óptima para depurar a nossa alma, acalmar-nos e esclarecer os pensamentos mais sombrios. Principalmente quando nos falta alguém. Quando perdi o meu avô, enchi páginas atrás de páginas nos meus diários. Assim creio que não nos sentimos tão perdidas e sós...Sei o que é sentir saudades, espero que te sintas cada vez melhor, há sempre um buraco grande no coração, mas as recordações servem mesmo para ajudar a preencher esse espaço físico que falta...

Clau disse...

É exactamente isso que sinto Joana. Por isso estou cada vez mais aliviada por conseguir deitar cá para fora o que sinto. E não fiques corada! Foi mesmo graças a ti e à tua ideia de um blog escrito que me lancei nisto, e estou a adorar!